O Grande Gatsby

(The Great Gatsby / 2013) ***
2013-thegreatgatsby

Historinha: um jovem descobre que seu vizinho milionário é apaixonado por sua prima.

:D – as palavras flutuando na tela, envolvendo o autor e a nós.

– muitos risos com “Rhapsody in blue” de Gershwin e fogos de artifício, mas tudo bem, depois daquele suspensezinho, a apresentação de Gatsby tem que ser feita com toda a pompa e circunstância, né. Hahaha (desculpem, ainda tô rindo, só de lembrar)

– sou uma boba mesmo, mas achei adorável a valsa de cortinas esvoaçantes para introduzir Daisy como um sonho.

– contrastes: festinha mais vermelha e colorida representando a luxúria; o meio do caminho “carvão” dos pobres perdidos; claridade e enormes jardins num polo e ostentação de calada da noite no outro.

– o jeito “pop” de ser de Baz Luhrman dinamiza um pouco essa adaptação do livro de F. Scott Fitzgerald, com direito ao bom uso de 3D. Aliás, quem não gosta do estilo do Baz nem deve ver, porque está tudo aqui: a trilha sonora modernosa (com direito a hip hop), movimentos rápidos de câmera, festas exageradas com um monte de figurantes, amores intangíveis. Eu já esperava tudo isso (Romeu e Julieta deu até mais tontura, Moulin Rouge foi um brega bem vermelho). Todos os seus exageros, aqui, considero mérito, já que a época em que se dá a narrativa é mesmo de opulência, luxo e artificialidades.

– de onde eles tiraram Amitabh Bachchan?

– Elizabeth Debicki roubando a cena como Jordan, super cool.

– o desvendar do atropelamento bem montado.

– e o melhor: a humanização do personagem de J. Gatsby, com todas aquelas flores e saindo na chuva de nervoso por reencontrar o antigo amor; com o passado que justifica seus ideais.

D: – às vezes, exageraram no exagero.
2013-thegreatgatsby-leodaisy

(Leo’s :D:) tá. Agora. Bem, não é muito fácil escrever sobre esse filme, porque este ano minhas imaginações sobre o Leo voltaram com muita força e inauguro aqui um novo tipo de post. Os “filmes do Leo” tem algo de diferente, porque o Leo é algo de especial na minha vida. Acho que ninguém, nem mesmo minhas melhores amigas, têm a dimensão exata de quanto ou como o Leo faz parte da minha vida. Pois bem, aos pouquinhos vou esclarecendo isso, com um post aqui outro acolá.

O que tem pra hoje é que: 1) eu sei que o Tobey (que faz o amigo Nick Carraway) e o Leo (DiCaprio, que faz o Gatsby) são amigos há muitos anos. 2) Tobey Maguire é de câncer e imagino ele um cara bem “família”, ele já é casado, tem filhos. E assim, imagino que, de certa forma, os papéis que eles representam em O Grande Gatsby reflitam um pouco de sua vida real. O Leo costumava sempre sair de balada por aí, com seu grupo de amigos – e por um tempo Tobey também fazia parte desse grupo. Imagino que ele, assim como Nick, participava, mas, ao mesmo tempo em que se sentia dentro, se sentia fora de tudo aquilo.

Já o personagem de Leo, promove todas essas festanças, mas tem o olhar voltado para aquela luz verde (de esperança?) ao longe. Talvez ele espere pelo dia em que chegará seu amor verdadeiro? Com o desenrolar da narrativa, descobrimos suas origens humildes (Leo vivia num bairro meio perigoso quando era criança…) e que ele chegou até ali por seu próprio esforço – embora Gatsby tenha usado de meios escusos para isso, já o Leo, não sei… E mais, que esse amor por Daisy é idealizado, é algo como sonho, como a cereja no bolo em reconhecimento pelo seu valor. Quem sabe se o Leo também não esteja esperando por uma garota que não existe?

Sabe, eu já imaginei vááárias histórias com o Leo, desde que eu tinha 12 anos de idade. Aos 12 anos foi quando o conheci, vi uma foto sua numa dessas revistas para adolescentes, ele por ele mesmo, sem estar encarnando um personagem. Eu me apaixonei por ele assim que soube que sua banda favorita era The Beatles e seu sonho era viajar pelo mundo com um grande amor. Durou uns 2 meses. Depois disso, já me apaixonei por vários outros caras, já sofri por alguns e de vez em quando, de tempos em tempos, eu volto a sonhar com o Leo.

Em uma dessas histórias imaginadas, eu era justamente a garota por quem ele esperava e não sabia. Não uma modelo super bonita pra mostrar pra sociedade, mas alguém que valorizava quem ele é de verdade, uma pessoa doce que estaria ao seu lado.

Mais do que isso, quando eu tinha meus 14 ou 15 anos, cheguei a escrever cartas para o Leo. E cheguei a imaginar uma história em que nos encontraríamos depois de muitos anos e de muitas cartas, e ele acabava descobrindo que era eu a autora daquelas cartas que ele tinha achado tão fascinantes, ele me mostraria uma caixa ou um álbum, e assim como Daisy faz em uma cena deste O Grande Gatsby, eu exclamaria: “você guardou todas as minhas cartas!”.

E, pra finalizar, Gatsby acaba sendo esse cara que se fez a partir de seus sonhos. E que gostaria de realizar o que não pôde num passado, resgatar um amor que o tempo e as circunstâncias não lhe permitiram. Qual o ser humano que já não teve essa sensação? De querer poder mudar, de transformar o que é e o que não foi?
2013-thegreatgatsby-reachingoutgreenlight

: e o que isso tem a ver com o budismo?

No filme, Gatsby morre ainda acreditando – e por isso Nick diz que ele é o homem mais otimista que já conheceu. Bem, vou falar só um pouquinho agora sobre o budismo. Uma das coisas que se fala é da inconstância da vida, que tudo é efêmero. Ficar apegado ao passado (seja em arrependimentos pelo que não fez, não pôde, ou mesmo pelo que fez) seria, então, motivo de sofrimento, uma ilusão. O melhor é pensar no que se pode fazer neste momento e aproveitar agora pra mudar o destino. Por isso também, não adianta pensar muito em “como o mundo surgiu”, mas que temos esta realidade, esta vida, e pensar o que podemos fazer com isso. O budismo que eu sigo enfatiza bastante sobre as ações que podemos ter na vida diária. Ou seja, mesmo que sejam “pequenas ações”, talvez seja isso que pode mudar nosso “destino”. Eu acredito nisso – me chamem de otimista, se quiserem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s