Anima Mundi: curtas 5

Pela primeira vez neste blog, apesar de acompanhar o festival Anima Mundi há tantos anos, gostaria de compartilhar um pouquinho das sessões que pude pegar. Talvez isso nunca tenha se dado por falta de tempo, ou simplesmente porque eu não entendo tanto das técnicas de animação e todo o esforço que pode ter sido envolvido, ou dos nomes mais conhecidos nesse campo das artes ou… bem, isso nunca foi desculpa pra eu não escrever algo sobre os filmes longa-metragens, foi? Pois então.

SESSÃO CURTAS 5

Meanwhile (Reino Unido, de Stephen Mcnally) = acompanhamos alguns personagens, cada um envolto em uma cor diferente, na sua, até que todos se encontram em um acidente e todas as cores se misturam.

Batalha das máscaras (Brasil, Iuri Araújo) = animação fluente, sem espaços muito definidos a princípio, mostra um campo de batalha (como de toureiros ou cavaleiros medievais)

Dinner for few (Grécia, Nassos Vakalis) = terrível! Um curta que deixa a gente com desgosto. Vemos uma tempestade, uma sala de hotel, alguns porcos sentados à mesa, um homem vai servindo-lhes pratos de comida feitos com uma máquina, são feitos a partir da mobília em sua volta. Os porcos estão vestidos como ricos, e há gatos rondando por baixo das mesas, descobrimos que estão acorrentados, até que os gatos se tornam um tigre enorme que tritura todos os porcos ricos. Até aí, ok, metáfora, eu acho, mas o ciclo recomeça tudo de novo…

Acoustic Kitty (França, Ron Dyes) = achei que fosse um norte-americano, mostra uma ideia louca do presidente em usar um gato como infiltrado para ouvir as conversas na embaixada da Rússia, o cientista louco acaba com os gatos da cidade e no final a vovó que gostava tanto do gatinho de rua sequestrado acaba atropelando-o porque a Rússia tinha sido mais eficaz nessa competição tecnológica :/

Tsunami (Dinamarca, Sofie Kampmark) = olha, uma surpresa, um curta belíssimo que vai de encontro ao estilo oriental de narrativas. Em uma cidade em destroços, vemos um homem chegar em casa, ele descobre um peixe peculiar no seu banheiro (que parece mais uma criatura mítica) e entre devaneios, se afogar, ter perdido tudo, ele leva o peixe para soltá-lo no mar.

Lost Property (Reino Unido, Asa Lucander) = um velhinho cuida de uma loja em que há diversas salas, cada uma com muitos itens perdidos. Todos os dias, em determinado horário, ele recebe a visita de uma velhinha procurando por algo. Até que descobrimos junto com o velhinho que ele é que perdeu várias memórias, e a velhinha fica feliz quando ele relembra sua história juntos – ela o visita em um hospital. É como o Diário de uma paixão (2004), mas mais lúdico e em forma de desenho… :)

 

asinglelife

A single life (Holanda, Job, Joris e Marieke) = hahaha! O mais engraçado da sessão e super curtinho. Uma moça recebe um disco em seu apartamento, e quando o toca, percebe que pode acelerar ou atrasar sua vida conforme o disco de vinil pula pra frente ou pra trás. É incrível como a ideia passa rápido pro público; esperto e divertido, o curta foi indicado ao Oscar.

 

theorchestra

The Orchestra (Austrália, Mikey Hill) = uma cidade em que cada pessoa conta com miniaturas de si mesmo que tocam determinado estilo musical. Em uma pensão, um velhinho meio triste tem uma orquestra meio desafinada, até que uma velhinha se muda para ser sua vizinha e ela tem um grupo lírico de alegrar os ouvidos, e a pequena orquestra decide se aprumar. Passando uma grande vergonha, o velhinho briga com seus musiquinhos, até que todos possam tocar afinados a mesma música do coração.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s