Anima Mundi: curtas 14

Me and my moulton (Canada/Noruega; Torill Kove) = três irmãs indagam sobre sua rotina vivendo com os pais, com muita imaginação, na espera de uma bicicleta. Esta animação colorida indicada ao Oscar brinca com a linguagem (quando ela estoura o balão de pensamento), vê algumas dificuldades pelos olhos que seriam de uma criança mesmo: com até uma certa inveja da vizinha, mas aceitando as diferenças e querendo ver os pais felizes, afinal.

 
meandmymoulton
 

Zepo (Espanha; Cesar Diaz Melendez) = animação com areia, grave. Uma menininha encontra um cara machucado na neve, tenta buscar ajuda e os adultos que encontra abrem um buraco no lago de gelo para ela cair, observá-la se debater.

Viaje a pies (Espanha; Khris Cembe) = meio Tarantinesca, essa animação traz um solitário incomodado pelo cheiro dentro de sua cabine do trem. O colega de cabine é um beberrão, no corredor uma golpista lhe rouba a carteira. Cada vez mais  atormentado… ele corta os pés do cara fora em jorros de sangue! E… depois descobrimos que tinha um pedaço de queijo velho esquecido num canto!!

Nuggets (Alemanha; Andreas Hykade) = já convidado em outro ano de festival, Hykade provoca. Com traços bem simples e repetição de movimentos, identificamos um franguinho correndo, ele encontra uma substância que lhe faz se sentir muito bem a princípio, parece conseguir voar em delírio, mas a cada gota dourada ingerida, o tombo é mais forte e ele vai ficando mais gordo, até ficar quase obsoleto. E o título do curta é…

The five minute museum (Suíça/Reino Unido; Paul Bush) = proposta interessante de animação, sobrepondo imagens de mesmos objetos encontrados em museus, como se estivéssemos vendo um só objeto por diferentes referenciais com cada imagem implicando uma história, fazendo pensarmos como em cada momento podemos considerar de modo tão diferente a mesma coisa.

The meek (Austrália; Joe Brumm) = a minha favorita do dia! Claro que devido à minha história pessoal. Uns bichinhos não identificados passam frio no breu; uma delas se encanta com um deles que vira uma espécie de faraó, comandando um enorme empreendimento para ficarem mais perto da fonte de calor – que é uma bituca de cigarro. Ao mesmo tempo em que vemos a construção de uma relação de poder autoritário, ouvimos a narração como se fosse uma mulher que se deixa ser “usada” por um homem. No final, ela encontra uma solução melhor, cada um usar o algodão para costurar para si e outros uma roupa que lhes esquente. E completa dizendo que podem pensar que ela é fraca, mas ela só estava “com frio”. Awn. Significados múltiplos e uma animação fofinha? Me ganhou de longe.

 
themeek
 

Amélia & Duarte (Portugal/Alemanha; Alice Guimarães, Mônica Santos) = de uma sala cheia de caixinhas, um velhinho organiza em uma pertences. Animação em pixalation, com atores fotografados para serem animados. Vemos o encontro e a história de amor, depois a separação desse casal – a sala tem o nome de “amores perdidos”.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s