3 animações para nos surpreender neste Oscar

Eu já tinha comentado por aqui antes que não tem como competir com Inside Out (2015), porque convenhamos, é uma produção Pixar-hollywood-americana, é o que a maioria do público e da crítica vai lembrar, e é realmente criativo, emocionante e divertido (como todo Pixar).

Mâs….. devemos lembrar que ele está com uns concorrentes muito bons, e, que dependendo da perspectiva, até merecem mais. Eu não assisti ao Shaun: o carneiro (2015), porque, sendo honesta, não gostei tanto de Piratas Pirados! (2012) e nem mesmo de Wallace & Gromit – a batalha dos vegetais (2005). Acho que é um ótimo estúdio de animação, que faz episódios e séries ótimos, mas que não se sustentam tão bem em longas. O que me faz pensar que não há realmente tantos longas animados no mundo, por isso todo ano a Academia coloca um dos Aardman e um representante asiático…

Contudo, eu admito que as animações indicadas ao Oscar este ano me surpreenderam.

—–

Anomalisa
2015-anomalisa (Anomalisa / 2015) ***

Historinha: um escritor de livros de auto-ajuda no hotel encontra uma anomalia.

:D – confesso que quando li o nome Charlie Kaufman envolvido no projeto, me deu uma certa preguiça. É o cara dos personagens complicados, das situações medonhamente loucas, e não sabia quão chata poderia ser uma animação. Mas! A beleza do cinema é realmente sua habilidade em nos surpreender, e que grata surpresa foi perceber que este meio (animação) lhe serviu muito bem às suas complexidades, fazendo sentido com seu tema.

-quando a gente percebe que o fato de  todos os personagens, com exceção de Michael e Lisa, terem um molde igual e a mesma voz (Tom Noonan) na verdade tem todo o sentido de ser.

-todos os mínimos detalhes que tornam aqueles bonecos mais reais do que atores de Hollywood (a pancinha do Michael, a gordurinha extra, a personagem cuja bolsa prende na cadeira, todos os pequenos “defeitinhos” que os filmes médios excluem). E a cena de sexo? Com uma cumplicidade construída bem melhor do que a maioria das produções por aí afora, respeitando tempos, incômodos, risadinhas sem jeito.

-os animadores só deveriam ser aplaudidos, porque o trabalho que tiveram é impecável, incluindo posicionamento de luzes, a fluidez de movimentos, a construção de espaços e personagens, tudo, em detalhes, demonstram a alta habilidade técnica.

-adorei como surgiu a palavra “anomalisa”!

—–

 

Quando estou com Marnie 2014-omoidenomani
(Omoide no mani / 2015) ***

Historinha: uma garota vai para o interior e descobre uma amiga antiga.

:D– esta é outra animação que acabou tomando rumos inesperados pra mim. Eu esperava algo sobre fantasmas, mas não uma ligação tão especial entre a personagem de Anna e de Marnie.

-gosto das animações em 2D, acho que elas podem ter uma exuberância típica e única dos traços dos artistas, aqui, nos deliciamos com as paisagens exuberantes da natureza, rimos com o jeito de Anna, toda sem jeito e sabemos automaticamente quando está desconfortável ou surpresa. É bonito ver as cores do festival das estrelas, queremos também nos aventurar quando a maré subir, fazer um piquenique ou dançar à noite. Tudo pode acontecer num mundo fantástico, por que não uma jornada de fortalecimento?

D: – ficou um pouco expositivo demais a explicação final, já tínhamos intuído quem realmente foi Marnie.

—–

O menino e o mundo
2013-omeninoeomundo
(2013) ****

Historinha: um garoto atravessa mundos e memórias.

:D – a melhor surpresa do ano! Quer dizer, nós já tínhamos recebido este filme há tempos, mas digo, foi a melhor surpresa ter o esta obra brasileirinha entre os indicados ao Oscar.

-os traços simples que parecem giz de cera misturados à diversas técnicas de animação, CGI, colagens, diversos materiais utilizados pra ampliar o mundinho desse garoto.

-como o roteiro e a montagem acabam nos fazendo repensar e redescobrir as imagens que tínhamos. O velho com latinha na cabeça, o jovem com touquinha que também faz música.

-o caleidoscópio como recurso, a repetição que se amplia e varia. Multiplicação de trabalhadores, a massa militar ou de prédios, os pais iguais. Os pequenos sons em imagens coloridas que se juntam para a grande ave. Imaginação pouca é bobagem.

-trilha sonora gostosinha na passagem dos músicos em festa, cores vibrantes. E nem precisamos de diálogos para entender tudo, o sentimento de carinho, solidariedade, solidão, saudade.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s