Stranger Things

Stranger Things é uma série recente da Netflix que ganhou o público, pessoal viu rapidinho a primeira temporada e elogiou, bombou. Eu, como boa filha dos anos 80, claro que também adorei acompanhar a saga dos meninos perdidos nessa trama de mistérios, aventura e tudo que a gente gostava quando via na “Sessão da Tarde” (verdade que a Globo vai acabar com a Sessão da Tarde? Dorzinha no coração); nesse mundo em que as crianças são mais espertinhas do que os adultos descomedidos e incompetentes.

É, nós crescemos e lembrar dos anos 80 agora já é nostalgia. Toda hora vejo estampado referências a E.T. – o extraterrestre (1982) ****; Os Goonies (1985) ***; aqui e ali tem Conta Comigo (1986)*** e outros exemplares. Na trilha eletrônica, aparece bem os sintetizadores. E alguém lembrou de John Carpenter ou de outros filmes de terror?

Eu não sei bem como o povo que não era criança durante os anos 80 encara a série (porque pra mim essas referências foram boa parte da diversão! Steven Spielberg é meu padrinho de coração), mas mesmo pra quem não tem boas memórias dessa época, acho que no geral ela consegue envolver com seus mistérios, personagens e problemas.  O elenco mirim é de arrasar, eles nos divertem e nos preocupam como crianças devem fazer, tendo uma boa química de grupo. Algo que não me agradou muito foram muitas cenas escuras (às vezes, mesmo à noite e fechando portas e janelas pra evitar luz externa, ainda fica difícil de ver). Contudo, os momentos plásticos de El naquele cenário de um negro vazio fizeram bem o seu papel. Tem alguns momentos “ah, não, isso é muito impossível”. Mas se a gente lembrar que mesmo certos exageros – seja em acontecimentos, personagens, trilha sonora – também fazem parte desse “ode”… quem sabe você também não se encante com esse estilão peculiar de entretenimento?

Mas e aí? Pronto pra entrar no Delorian? (Lembrando que este blog não acredita em spoilers, porque nos anos 80 ainda não existia essa palavra).

 

Capítulo 01: O desaparecimento de Will Byers

Tudo bem estabelecidinho logo de cara: fotografia, figurinos e cabelos reproduzindo com esmero os anos 80, o título com formato de letras dos livros de Stephen King, os garotos se divertem com “Dungeons & Dragons” e Will logo anuncia que o Demogorgon o pegou. É isso a série, minha gente! Os meninos são meio nerds, tem os caras fortes da escola que importunam eles e ficam contentes com o novo equipamento de rádio, mas a amizade é o que importa mais. Tem também a adolescente certinha que se envolve com um bonitão que pode levá-la para o mau caminho; o xerife que fugiu para essa cidade do interior só para encontrar um caso ainda mais desafiador a resolver; uma instituição misteriosa e uma garotinha perdida que poderia ser um alien disfarçado só com aquela cara braba dela. Ah, e claro, Winona Ryder locona como a mãe do garoto desaparecido.

 

Capítulo 02: A estranha da Maple Street

Os meninos encontram a garota misteriosa e ela não parece saber muita coisa do mundo, mas reconhece Will; Jonathan lembra do irmão e vai procurar o pai; os policiais descobrem o grandão do diner que tinha dado comida pra garotinha; Barb leva a amiga Nancy pra uma festa só pra sangrar e desaparecer. Ah, e claro a Winona Ryder locona querendo outro telefonema que acaba com a luz da casa.

 

Capítulo 03: Caramba

Nancy facinha enquanto Barb tá na pior; Hop e os policiais visitam uma instituição que está mentindo sobre as câmeras de segurança leva a uma pesquisa melhor; flashbacks da Eleven sobre seus poderes que podem machucar pessoas e o “papa”; os rebeldes sem causa quebram a câmera de fotos do Jonathan; os garotos buscam por Will, mas veem os policiais tirando o corpo do lago. Ah, e claro, a locona da Winona Ryder fazendo Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977)*** com luzinhas de natal.

 

Capítulo 04: O corpo

Mike e os garotos descobrem que Eleven não estava mentindo, e decidem levá-la até a escola em que o equipamento de rádio é melhor – e que peruca bizarra! (aliás, por que a irmã tinha uma peruca?) Muito melhor a Milly Bob Brown careca, que inclusive raspou a cabeça inspirada na Charlize Theron de Mad Max: estrada da fúria (2015)****, olha que legal. Nancy preocupada com o sumiço de Barb pede ajuda a Jonathan; um menino babaca se mija todo; mais flashbacks de experimentos e Hop descobre o corpo fake! Ah, claro que a locona da Winona Ryder sabe que o filho não morreu (mãe é mãe, né, gente).

 

Capítulo 05: A pulga e o acrobata

Hop é pego invadindo a instituição para acordar e buscar escutas em sua casa. Os garotos perguntam ao professor sobre outras dimensões e ele explica que a pulga pode ir “upside down”, e a acrobata precisaria de um portal; e aquela cena de Conta Comigo nos trilhos do trem, hein? Nancy e Jonathan se armam para procurar o monstro que levou Barb.

 

Capítulo 06: O monstro

Nancy consegue entrar nesse mundo paralelo por um buraco, Jonathan a salva e passa a noite em sua casa. Hop acredita na locona da Joyce (Winona Ryder), entendem pelo desenho de Will (whaaat?!) que Hop estava atrás de outra criança e vão procurar uma mulher cuja filha também desapareceu para uns experimentos loucos dos anos 70. Eleven está sozinha porque os meninos brigaram e achavam que ela tinha traído eles, Mike acredita que ela os protegeu e tenta fazer as pazes com Lucas, El pega waffles. Nancy e Jonathan compram muitos armamentos (como?! pra menores também é fácil assim?!), entram numa briga porque Steve estava achando que ela tava dando mole pro outro e vão parar na delegacia. O menino que se mijou quer vingança e manda Mike pular de um desfiladeiro, mas Eleven é praticamente uma Fênix.

 

Capítulo 07: A banheira

Lucas entende que o pessoal do departamento de energia elétrica é do mal e avisa os meninos, na fuga das bicicletas El mostra sua força de novo (eu jurava que as bicicletas iam voar!!); da delegacia, Hop, Joyce, Nancy e Jonathan vão para a casa e conseguem contato com os meninos escondidos no ferro velho, Hop os resgata. Todos juntos entendem que El precisa ir procurar Will de novo, para isso montam uma câmara de privação sensorial na escola com muito sal e uma piscina infantil (eee Mcgyver também volta em breve, calma que ele tá vindo). The Clash nunca foi tão cantado numa série, e Hop, e claro, a locona da Joyce, vão invadir a tal instituição de nonvo.

 

Capítulo 08: De ponta cabeça

Hop e Joyce conseguem um acordo com o “Papa” e poderão entrar pelo portal para a outra dimensão, em troca da informação sobre Eleven. Na casa, Nancy, Jonathan e Steve preparam uma armadilha para o monstro; e botam pra pegar fogo, mas é o fim dele? Na escola, os garotos encontram pudim de chocolate; Will e El tem seu momento “eles não são jovens demais pra isso?” (pelo menos na minha cabeça); o Papa chega com seus capangas, mas El tem mesmo é que enfrentar o monstro. No mundo invertido, Hop relembra da filha que perdeu para uma doença; e finalmente, com a locona da Winona Ryder, resgatam Will. Tudo se resolve… embora Hop ainda guarde alguns waffles.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s