Game of Thrones – Season 05

Gente, posso falar? Orgulhinho de mim mesma por estar conseguindo seguir com Game of Thrones! De repente em dezembro eu consigo Mad Men e começo o ano com Black Mirror, o céu é o limite.

E o que dizer desta quinta temporada? Bem, a gente já tinha aprendido que só no episódio 9 aconteciam coisas chocantes e o último episódio da temporada era mais preparação para a seguinte – isto é, até a temporada 3. Daí veio a 4, com emoções mais bem distribuídas, e chegamos na quinta, fica até parecendo que a série virou uma chatice. Só que não.

! Este blog não acredita em spoilers. Uma coisa é saber do que vai acontecer, outra é ver, sentir arrepios em como as crianças aparecem por aqui e ficar pasmo sem saber o que falar de vez em quando.

Tudo bem que eu achei bem chatinho os primeiros episódios que teve muito mais conversa do que ação (ficamos mal acostumados com a quarta, já falei), e foi meio decepcionante o treinamento de Arya (eu esperava mais). Nesta temporada, alguns personagens que gostamos estão mais fracos, Tyrion, Daenerys, mas e aquela invasão dos mortos vivos contra os selvagens numa avalanche? Inesquecível, sequência de tirar o fôlego, a gente nem precisa de outra batalha (eu sinceramente não liguei de não ter visto a batalha do exército de Stannis contra o de Ramsay, o que mostraram foi suficiente).

Claro, a qualidade é HBO, então continuo adorando as locações escolhidas; e aquele colar lindo da Daenerys como um dragão envolvendo seu pescoço; gosto do Tyrion maltrapilho e sujo como é o sentimento do personagem neste momento da jornada; lindinhos os vestidos de princesa da jovenzinha romântica Myrcella; perfeita a maquiagem e efeitos daquelas crianças zumbis.

Amei a cena de expiação da Cersei, aquele nos parece um caminho longuíssimo, aquele sininho acompanhado do grito de “Shame!” e os ruídos da urbe crescentes, e o espectador que já viu como a Rainha Mãe é maligna chega a se sentir um pouco vingado e até um pouco culpado por sentir isso.

Honestamente, o sacrifício de Shireen eu já esperava, desde quando Melisandre tinha insistido na outra temporada para levar a menina, mas conseguiram deixar bem marcante e com o trabalho de som – não vemos nada, mas só de ouvir os gritos da menina… Aliás, como as crianças são maltratadas, Deus, será que perdemos a esperança em nossas crianças? Todas tem que nos dar medo? Aquela Arya implacável e o gore de sua vingança… Confesso que senti falta de não ter visto Bran nenhuma vez.

Outra coisa que gostei muito desta temporada foi como exploraram alguns elementos da história da humanidade inserindo no universo da série – aconteceu com a gente, por que não aconteceria lá?

Gostei do dragão ter salvo Daenerys, e quero ver logo como vão domar ou controlar os dragões! Quero ver como o Ramsay vai morrer (gente, tem que ser bem cruel!), como vão ressuscitar o Jon (poderiam ressuscitar a Ygritte também pra ele não ficar sozinho), qual é a dos White Walkers (ah, é, isso só na última temporada, né?).

E… falando em expectativas, como devem ter percebido, eu não li os livros. Se bem que o velhinho ainda não terminou os livros também, né? O que será de nós? Sei nada, Jon Snow.

 

E01 – The wars to come

Desde menina Cersei já tinha uma personalidade orgulhosa e segura de si, além de saber por uma bruxa que teria seu reino roubado por uma mulher mais jovem e bonita; chega no Septo para o velório do pai, discute com Jaime, que ajudou o irmão Tyrion a fugir (quem matou o pai Tywin). O anão, por sua vez, chega em Pentos e só quer saber de beber, com Varys argumentando que ele foi bom quando foi Mão do Rei e que pode servir de bom conselheiro para Daenerys Targaryen, uma regente que parece apta a tomar o trono. Em Meereen, Daenerys enfrenta outro dilema – os filhos da Harpia, um grupo secreto que se rebela contra seu governo e mata imaculados. Além disso, lhe é proposto reabrir as arenas de lutas, onde antes escravos lutavam até a morte (tipo Gladiador, pão e circo mesmo); no quarto com Daario ficamos sabendo do passado de escravo dele e como Drogo está sumido há tempos e Daenerys tenta visitar os dragões, mas não parecem ser controláveis. Na recepção do velório, Cersei mal reconhece Lancel, o primo com quem teve um caso, que volta como uma espécie de monge que abdicou de tudo, fazendo parte do grupo dos “pardais”. E no quarto de Loras, o puto da casa de Mindinho descobre uma marca de nascença quando são interrompidos por Margaery, que pede para o irmão ser mais discreto, e Loras comenta que com a morte de Tywin não tem ninguém que fará Cersei se casar com ele. No norte, Jon é levado pela Melisandre que não sente frio por ter o fogo do Deus da Luz (ai, ai, falo nada) para conversar com Stannis que quer ajuda dos selvagens para enfrentar Bolton. Jon Snow vai conversar com Mance, líder agora prisioneiro, e ele se recusa a ajoelhar, embora não quisesse que o vissem agonizar na fogueira – até o último momento ficamos na esperança de ele aceitar as terras no sul em troca de liderar os selvagens a ajudarem na guerra contra Bolton, mas ele não ajoelha e conforme sobem as chamas, Jon acerta uma flecha no coração do homem que passou 20 anos unindo tribos de selvagens diferentes por uma causa comum.

 

E02 – The house of black and white

Arya Stark finalmente chega em Bravos, com a moeda da cara cortada, e o homem que lhe deu carona lhe deixa na frente de uma espécie de templo, com uma porta metade preta e metade branca, o velho que lhe atende não liga para “Valar Morghulis” e nem sua moeda e a deixa esperando sob chuva e vento, com a menina recitando sua lista de nomes a vingar (que diminui cada vez mais, by the way), até que ela joga a moeda no mar e se vai. Mais tarde, com ela vagando pela cidade e sob ameaça de três homens, o velho reaparece e a leva de volta ao templo, troca de rosto e lhe diz que a menina deverá aprender a ser ninguém. Brienne e Podrick acabam por acaso na mesma parada de viagem que Baelish Mindinho e Sansa Stark, e a cavaleira de Tarth oferece seus serviços, mas Sansa recusa, com Mindinho argumentando por ela que ele esteve lhe protegendo e ajudando o tempo todo; Brienne tem que fugir dali com os homens de Baelish em seu encalço e Podrick não sabe cavalgar, perdendo o cavalo e sendo salvo por Brienne, indaga se ela não pode se considerar livre do juramento, já que nenhuma das duas filhas Stark aceitaram sua ajuda. Cersei recebe uma cobra com a gargantilha da filha Myrcella e despacha Jamie numa missão para resgatar a filha de Dorne; Jamie vai procurar Bronn que parece feliz com uma noiva inocente e um castelo a herdar, até que Jamie traz o anúncio de que Lollys se casará com outro e Jamie promete um castelo maior. No Jardim das Águas de Dorne, o irmão de Oberyn não quer uma nova guerra, mas a amante sim e insiste em se livrarem da menina Lannister que respira do ar deles e come de sua comida. Em Meereen, Daario Naharis tem informantes que se infiltram em todos os lugares e leva Verme Cinza até o esconderijo de um dos membros da Harpia; prendem-no e numa espécie de conselho com Daenerys, discutem o que será melhor fazer com o rapaz, argumentam que os homens da Harpia na verdade estão fazendo o trabalho sujo que os ricos mestres não tem coragem, Sor Barristan insiste com Daenerys que o filho da Harpia tenha um julgamento, contando-lhe de como presenciou a loucura tomar conta do seu pai, que passou a queimar pessoas com fogo vivo, sentindo-se cada vez mais forte e poderoso. Tyrion está a caminho de Volantis com Varys, porque de lá poderão pegar a estrada para Meereen, e Tyrion questiona por que não pode sair da caixa de viagens, duvida que sua irmã mate todos os anões. Na verdade, Cersei realmente recebe cabeças de anão e tenta formar um novo conselho assumindo o papel de Mão do Rei até que o rei tenha idade para decidir, Mace Tyrell fica como novo responsável da Moeda, Qyburn o novo senhor dos suspiros (que antes era Varys) e o tio se recusa a ser Mestre de Guerras e servir de marionete para Cersei. Shireen Baratheon, filha de Stannis, ensina Gilly a ler e Stannis propõe a Jon Snow retomar o norte com ele, virando o novo Guardião do Norte, Jon confidencia a Sam que não pretende aceitar; na votação para um novo comandante da Patrulha da Noite, Janos Slynt fala por Alliser Thorne, outro fala por Denys Mallister, mas para surpresa de todos, Samwell Tarly defende Jon Snow como candidato. A votação se dá por pedras com formatos diferentes (e eu amei ver o Aemon Targaryen naquele suspensezinho colocando mais uma pedra favorecendo Jon diante do empate!). Mossador mata o prisioneiro e é condenado por Daenerys conforme a lei, em frente a toda a cidade tem a cabeça decapitada por Daario; pela mudança dos gritos para vozes sibilantes dos escravos, entendemos o sentimento de inimizade, eclode uma confusão e sabemos que a aprovação de Danerys em seu governo está bem baixa. À noite, o filho dragão Drogo reaparece, se aproxima, mas depois alça voo pelo horizonte.

 

E03 – High Sparrow

Arya diz a Jaqen que não veio pra ficar varrendo o chão, mas ele acha que ela só quer servir aos próprios propósitos, precisa aprender a não ter rostos. Uma jovem a chama para o “jogo das faces”, Jaqen pergunta como ela pode estar se tornando ninguém se está cercada por coisas da Arya Stark; a menina joga fora suas roupas e pertences, com exceção de agulha, que esconde entre pedras. Mais tarde, é levada a aprender a limpar os corpos dos que vem ao templo para morrer. Acontece o casamento do jovem rei Tommen e Margaery, consumado (e não é estranho? Ele parece tão criança ainda!), que já tenta persuadi-lo a despachar a sogrinha e Tommen pergunta se a mãe não ficaria mais feliz em Casterly Rock, ela também vai se oferecer para o que Margaery precisar e a nova rainha lhe garante que logo terão herdeiros. Em Winterfell, Bolton convence o filho que o melhor modo de conseguir aliados é o casamento e está se aproximando do Fosso Cailin Baelish Mindinho com sua verdadeira intenção: casar Sansa com Ramsey; tenta convencê-la a não apenas ser espectadora e fugir, mas enfrentar e um dia tornar-se a guardiã do norte (eita mulher com carma ruim pra maridos!). Brienne decide dar a volta e ainda ficar de olho em Sansa, numa conversa, ela fica sabendo como Podrick virou escudeiro e conta como Renly a salvou de ser chacota e escárnio geral. No norte, o garotinho Olly vira intendente de Snow, que novamente recusa a oferta de Stannis, mesmo com Davos ouvindo o juramento da Patrulha e dizendo que seria proteger o povo também lutando pelo rei. Como primeiras medidas de comandante, Jon designa alguns postos, Alliser como chefe dos patrulheiros, e Slynt para um posto que ele recusa com petulância, como se recusa a uma ordem é condenado e Jon ouve suas últimas palavras, mas não pode dar misericórdia, cortando-lhe a cabeça (Jon consegue com firmeza, claro, diferente de Theon, lembram?). Um padre renomado é retirado do prostíbulo de Mindinho pelos “pardais” e levado nu às ruas, reclama com Cersei e ela vai fazer uma visita para o “alto pardal”, líder do grupo religioso, que está entre pobres oferecendo comida; Cersei conta que a corrupção corrói a igreja por dentro e o tal padre foi levado às masmorras, pretende um acordo com o High Sparrow. Baelish acerta o casamento com Bolton, que precisa de apoio agora que Tywin está morto; recebe uma convocação de Cersei. Em Volantis, Tyrion não aguenta mais e sai pelas ruas da cidade, presencia uma sacerdotisa vermelha que já foi escrava – cada escravo tem sua tatuagem, conforme Varys nos explica – falando a um grupo sobre Daenerys, e reconhece que possa ser uma líder querida por nobres e também pelo povo; acaba numa casa de mulheres em que uma delas se faz passar pela Mãe dos Dragões e quase consegue uma moça de graça, mas não tem coragem (o quê?! Trauma, Tyrion?) e quando está mijando pela janela é pego por um desalentado Jorah Mormont.

 

E04 – Sons of the Harpy

O navio em que Jamie está passa pela Ilha das Safiras, terra de Brienne, e Bronn o questiona por que não envia um exército, Jamie não quer começar uma guerra; ainda assim por que é ele quem está indo escondido para Dorne, junta os pauzinhos sabendo que foi Jamie quem libertou Tyrion e a irmã não deve ter gostado nada. Em Porto Real, a corte está devendo ao Banco de Ferro e o Mestre da Moeda Tyrell é enviado para negociar em Bravos, junto de um guarda-costas, sor Meryn Trant; Cersei conversa com o High Sparrow sobre voltarem a ter um exército para punir os pecadores, a Fé Militante que já existiu um dia (uou, série que consegue reviver ecos de inquisição?). Os pardais invadem a cidade sabotando vinhos e acabando com o estabelecimento de Baelish, também prendem o cavaleiro Loras sob acusação de “quebrar Leis dos homens”… Margaery logo busca o menino rei pra intervir junto à mãe que está com ciúmes, Tommen pede, mas Cersei apenas diz que ele mesmo pode ir conversar com o High Sparrow; chegando no septo é barrado na entrada porque Sua Santidade “está rezando” e é chamado de bastardo pelo povo também, prefere evitar entrar à força e Margaery vai enviar carta à avó. No norte, a rainha novamente lamenta não ter dado um filho a Stannis, Melisandre garante que cicatrizes não são nada para o Senhor da Luz; Jon assina cartas pedindo recrutamento de homens para a Patrulha, inclusive tem que pedir a Bolton, que assassinou sua família, eis que Melisandre chega para dar uma tentada nele, toda sedutora querendo “criar vida”, mas Jon é forte e diz que amou outra (óinn), ao que ela responde “você não sabe de nada” (eiii! Não! Ela não pode roubar essa frase!). Nas catacumbas, Sansa acende velas e é abordada por Mindinho antes de partir para Kingslanding, ele lhe conta sobre como Lyanna (tia de Sansa) foi escolhida por Rhaegar Targaryen após uma luta, mesmo ele tendo Ellia Martell como esposa; fala a Sansa que provavelmente Stannis vencerá na tomada do norte antes de seguir a Porto Real, e ela poderá ser Guardiã do Norte, senão, ela terá que manipular Ramsay. Jaime e Bronn pegam um barquinho e o ex-mercenário assa serpente perguntando por que o dono do navio não delataria o Lannister, sabendo que por essas bandas Lannisters não são bem vindos; logo chegam quatro cavaleiros e eles se engajam em uma luta nas areias, Bronn ainda terá que enterrar os corpos para poderem roubar suas vestes e se disfarçarem; não muito distante dali, as filhas da areia de Oberyn sabem que Jaime veio atrás de Myrcella e não tem medo de guerra ou luta tampouco. Em outro passeio de barco, Jorah tira a mordaça de Tyrion, que logo deduz quem é seu captor, lembra de Jorah ser um espião e adivinha seus planos de entregar Tyrion a Daenerys. Em Meereen, Barristan conta mais um pouco sobre Rhaegar, que gostava de cantar; são interrompidos por uma audiência com Hizdhar Zo Loraq, representante dos nobres locais, que ainda insiste na volta dos jogos nas arenas para manter a tradição. Enquanto isso, Verme Cinza e um grupo de imaculados caem na emboscada de filhos da Harpia e inclusive Sor Barristan Selmy vai ajudá-lo.

 

E05 – Kill the boy

Verme Cinza é velado por Missandei, está em péssimas condições e Barristan está morto; Daenerys ordena que tragam os líderes dos nobres, por saber que eles comandam o grupo secreto da Harpia, ela os leva até os 2 dragões nos calabouços, pede para darem um passo à frente enquanto lhes fala que uma mãe nunca desiste dos filhos e depois de queimarem e dividirem um líder ao meio, diz que talvez deva deixar os dragões decidirem quem são inocentes, só não quer empanturrá-los. No norte, Aemon Targaryen lamenta que a última descendente esteja sozinha, cercada por inimigos; Jon Snow vem buscar seus conselhos e ele pede ao jovem comandante para matar o garoto e se transformar num homem; ele decide pedir para Tormmund conversar com o resto do povo livre, para salvá-los do inverno passando pelos portões, em troca lutarem ao lado dos patrulheiros quando for necessário, Tormmund demanda que Jon vá junto para acreditarem que não é uma armadilha; é difícil convencer o resto de Castle Black, inclusive Olly, cujos pais morreram nas mãos dos selvagens, mas Jon alega que não conseguirão vencer os White Walkers sozinhos. Sam conta a Gilly que na Cidadela existe uma biblioteca com muito mais livros e que ele queria poder estudar lá para se tornar um Meistre; Stannis pergunta como Sam matou um White Walker e ele conta que foi com obsidiana, vidro de dragão, Stannis diz que há muito em DragonStone; chega a hora de partirem, Stannis não quer que o inverno os alcance, Davos recomenda que a rainha e a filha fiquem, mas Stannis insiste que elas sigam com eles. Em Winterfell, Brienne manda um recado para Sansa por serventes, de que se precisar de ajuda, é para acender uma vela na torre; a amante de Ramsay, Myranda, está com ciúmes porque ele vai se casar com uma moça bonita, mas garante que nunca o entediará; ela aborda Sansa próximo da torre e comenta da bela costura de seu vestido, abre as portas do canil e pede para que siga até o fim, Sansa descobre Theon Greyjoy. À noite, no jantar, Ramsay conta a Sansa que agora Theon virou Fedor (Reek) e lhe serve, mas como é o parente mais próximo dela, para que a acompanhe até o altar; o pai Bolton também revela que a esposinha gorducha está grávida. Após consolar Verme Cinza (até com um beijinho, ui!), Missandei é perguntada pela Mhysa Daenerys o que ela acha da situação, Missandei apenas responde o que já viu: muitos a aconselharam e algumas vezes a Khaleesi ignorou os conselhos para seguir uma solução que só ela conseguia ver; Daenerys liberta Hizdhar e diz que reabrirá as arenas apenas para homens livres. Tyrion e Jorah seguem suas águas para passar por Valíria, que os lembram das canções sobre a Perdição que tomou os valirianos; alguns homens de pedra os abordam e Jorah tem que lutar com eles, não podem tocar em sua pele ou passarão o mal da escamagria, Tyrion cai na água ainda com as mãos atadas, mas Jorah o resgata.

 

E06 – Unbowed, unbent, unbroken

Arya continua limpando corpos e quer saber para onde vão, a jovem que a ensinou conta uma história e pergunta se Arya acreditou em tudo o que ela disse; à noite Jaqen a aborda fazendo o mesmo jogo e a chicoteando, ela está cansada de jogar. Um pai leva a filha doente para o templo do Deus de Muitas Faces, Arya conforta a menina com uma história de cura, e enquanto limpa seu corpo já morto, vê a porta aberta que dá para as escadarias, desce e chega em um enorme salão com altas pilastras cheias de rostos, Jaqen se pergunta se ela está pronta. Longe dali, Tyrion e Jorah trocam histórias sobre seus pais, Jorah ainda não sabia que o pai na Patrulha da Noite ao norte tinha morrido; os dois são encontrados por piratas e capturados para venda, querem cortar o pinto de anão que diz que vale para dar sorte, mas acabam deixando-o viver e convencê-los da habilidade na luta de Jorah, que já matou um dothraki, o companheiro de Khal Drogo. Baelish chega em Kingslanding e vai conversar com Cersei, ele garante que os homens do Vale lutarão do lado do trono, também conta do casamento entre o filho de Bolton e Sansa, que lhes dá legitimidade no norte, mas que Stannis Baratheon também marcha, e ele aconselha Cersei a deixar que um acabe com outro, após pedir para ser Guardião do Norte quando ajudá-la a vencer os traidores que estiverem se recompondo, a Rainha Mãe diz que não descansará enquanto não ver a cabeça de Sansa em uma estaca e Mindinho garante que está ali para servir. Em Dorne, a crescidinha e bonita Myrcella está apaixonada pelo seu prometido; sem saber, Jaime e Bronn camuflados conseguem se misturar a uma comitiva que adentra o Jardim das Águas e ao mesmo tempo em que abordam o jovem casal, chegam as três filhas de Oberyn que desejam matar a moça; há luta envolvendo chicote, lança e facas, até que chegam os guardas oficiais da casa Martell. Olenna chega em Kingslanding e vai ter com Cersei, que lhe fala sobre o inquérito que o Alto Septo deseja para averiguar as acusações contra Loras, passado isso a aliança entre as casas continuará.  No tal inquérito, o Alto Pardal (High Sparrow) também chama Margaery para fazer perguntas e depois chama como testemunha o prostituto de Baelish, que entrega tudo inclusive sabendo da marca de nascença de Loras, que se enfurece; e tanto o cavaleiro das flores como a rainha são levados pelos pardais para suas prisões. Em Winterfell, chega a noite do casamento e Myranda vai ajudar no banho de Sansa, falando de outras mulheres de Ramsay, Sansa logo percebe o que está acontecendo e diz que aquele é seu lar, intimidando a mulher; Theon vem buscá-la para irem até o bosque sagrado, é um casamento de inverno bonito, mas todo o encanto acaba quando chegam ao quarto de núpcias e Ramsay pede para Fedor continuar ali e testemunhar o coito (pra não dizer outra coisa desta cena, coitado, afinal é sua meia-irmã).

 

E07 – The gift

Uma Sansa desesperada pede ajuda a Theon, para que acenda uma vela na torre por ela, diz que fica trancada o dia todo e todas as noites Ramsay a machuca; (quando temos um pinguinho de esperança que Theon se recobrou) Ramsay a chama depois, conversam sobre como o meio-irmão no norte virou comandante e que agora é filho oficial de Bolton então não teme o bebê, mesmo com um rei também bastardo, mas o que Ramsay quer mostrar é a senhora que ajudou a trazer o recado da vela a Sansa, esfolada e dependurada. Na Muralha, Jon parte; e em seguida, Meistre Aemon, relembrando do irmão Aegon Targaryen, queimam seu corpo. À noite Gilly é abordada por dois homens que querem se engraçar com ela, Sam vem defendê-la, mas leva murros, levanta-se, e é quando surge o lobo de Snow ao seu lado que os dois rapazes fogem; depois Gilly vai fazer seus curativos e “cuidar” um pouco de Sam. No acampamento de Stannis, Davos vem reportar a situação limite em que estão, que podem voltar a Castle Black, mas Stannis recusa, porque se o inverno chegar eles o passarão na Muralha; Melisandre também já sugere um sacrifício (ah, sabia!), mas Stannis titubeia, é sua filha. Em Meereen, Daenerys conta na cama a Daario que o casamento é só por motivos políticos, mas o guerreiro já lhe alerta sobre um rei ser carniceiro ou carne, aconselhando-a a matar todos os mestres. Por convenção, a Khaleesi presencia uma luta local também, justamente do grupo do senhor que comprou Jorah e Tyrion como escravos – Tyrion por ser engraçado? -, Jorah percebe que ela está presenciando e entra no meio, batendo inclusive no senhor dos escravos, Tyrion demora um pouco mais para se soltar das correntes (por que só ele estava acorrentado?), quando Jorah vence, Khaleesi ordena que o tirem de sua vista, mas ele lhe oferece um presente, e Tyrion aparece. Em Dorne, Jaime conversa com Myrcella e ela gosta de Trystane, não quer ir embora; na prisão, Bronn como sempre cantando, é forçado a dizer que a irmã caçula é a mulher mais bonita que já viu, pois essa é a fama de Dorne e ele está envenenado, a mocinha sedutora lhe joga o antídoto. Olenna visita o High Sparrow e tenta negociar, mas ele garante que serve a Deus, para quem os pecadores não diferem pela classe social e a justiça deve chegar a todos, ali ela não tem poder, ela até ameaça deixar de fornecer suprimentos à cidade, mas ele diz que quando a maioria não teme mais a minoria… Mais tarde ela presta visita à Baelish, lembrando-o do trato que tinham, e ele também menciona um presente, um belo rapaz. Cersei conversa com o filho que diz amar Margaery e está sofrendo com ela na prisão, e ela diz que sua felicidade é o que mais importa; a loira vai até o Septo e visita a cela de Margaery, num estado lamentável, Cersei comenta que muitos enlouqueceram naquelas celas escuras; depois fica sabendo do Alto Pardal que passarão por um julgamento dos Sete Septos, ele conta sobre como aquela construção é antiga e verdadeira, removida de qualquer vaidade e ornamentos, pergunta se Cersei não quer fazê-lo, traz à frente um (belo) rapaz que se destituiu de tudo quando os procurou para se limpar e regenerar, e contou muita coisa sobre Cersei para eles… a Rainha Mãe é levada para uma cela. (yeeey! Quando ela bem achava que já estava com jogo ganho e impune de tudo!)

 

E08 – Hardhome

Tyrion tenta convencer Daenerys de que ele lhe vale como conselheiro, pela experiência como Mão do Rei e conhecendo as casas do reino; quando ela lhe pergunta o que fazer com Jorah, ele pergunta se Jorah teve oportunidade de admitir a traição, mas a adverte que precisará inspirar devoção e matar alguém tão verdadeiramente dedicado a ela não o fará, então Daenerys o bane novamente da cidade. Depois, Daenerys conversa com mais calma com Tyrion, sobre seus pais, Tyrion indaga o apoio que receberá, sobre as casas numa roda que gira se alternando no poder, e ela quer quebrar a roda. Cersei é constantemente abordada com uma colher de água para beber, mas é preciso que ela confesse seus crimes, ela continua dizendo que seu rosto será a última coisa que aquela freira verá antes de morrer, chega a lamber o chão onde caiu a água. Ela recebe também a visita de Qyburn, que lhe conta que o rei não quer receber ninguém e Pycell preside o conselho sem querer visitá-la, a única alternativa parece ser implorar perdão. Arya está sendo treinada para assumir uma persona, uma vendedora de ostras, para repassar um veneno a um velhinho magro. Em Winterfell, enquanto Ramsay planeja estratégia de guerra com o pai, querendo surpreender um ataque antes do inimigo chegar até eles, Sansa confronta por que Theon não a ajudou e acaba descobrindo que Bran e Rickon ainda estão vivos, Theon não os queimou. Jon e Tormmund chegam ao local do povo livre, querem conversar com os anciões; Jon admite que lançou uma flecha em Mance, mas Tormmund está lá para garantir que foi de compaixão, precisam de coragem agora para enfrentar o inverno e os caminhantes brancos que virão, o líder dos Thenns não aceita o acordo, uma outra aceita; embarcam alguns nos barcos emprestados de Stannis, mas muitos ainda ficam para trás, cães começam a ladrar alto, gritam para fecharem os portões, muita neve que parece avalanche e milhares de mortos vivos chegam para atacá-los; lutas aqui e ali, barcos que partem, o que parecem líderes montados em cavalos no alto das montanhas que cercam o lugar, Jon quer pegar o vidro de dragão, um gigante arrancando de si esqueletos que parecem sanguessugas, uma mulher que se deixa abater por crianças aterrorizantes, Jon consegue matar um dos cavaleiros com sua espada de aço valiriano, mas não há como combater, a única saída é fugir; do barco avistam um outro cavaleiro dos mortos vivos levantar com um movimento de braço todos os mortos que agora lhe servirão no seu exército de zumbis de olhos azuis (Jon com cara de bobo parado – claro, não é o que a gente faria diante daquilo?).

 

E09 – The dance of dragons

A ideia de Ramsay dá certo e Stannis é surpreendido por um ataque com fogo à noite, pois os nortenhos conhecem melhor o terreno e passaram despercebidos; cavalos foram mortos, mas Stannis não pretende recuar, envia Davos para pedir ajuda da Patrulha e dos selvagens, antes de partir ele dá um presente a Shireen (como uma despedida, né? Já estamos vendo tudo…). Jon chega com os selvagens às portas do Black Castle na Muralha (e aquele friozinho na barriga de dúvida, será que Alliser vai mesmo abrir?); os portões são abertos e Alliser comenta que ele tem bom coração, mas isso vai matar a todos. Em Dorne, Jaime bebe com Doran Martell, explica que receberam uma ameaça com o colar que Myrcella diz terem lhe roubado, Doran aceita que voltem para Kingslanding, mas Trystane irá junto e fará parte do conselho, também soltam Bronn. Na realidade da nova persona de Arya no cais de Bravos, a menina quase vende as ostras para o homem magro, quando avista Mace Tyrell sendo escoltado por Meryn Trant junto dos homens do banco; ela os segue até à noite, quando entram numa casa de prazeres, vai vender suas ostras lá dentro se safando por dizerem ser afrodisíacas; ela chega bem perto de Meryn e ouve a conversa de que o homem tem tara por garotas bem jovens; volta ao templo alegando que o homem magro estava sem fome. No acampamento de Stannis, à noite, o pai chega e a garota conta sobre a Dança dos dragões, história que lia em seu livro, com dois lados achando-se no direito ao trono e milhares morrendo, o pai fala que às vezes é preciso fazer escolhas, que também há um destino a cumprir, Shireen o conforta, diz que vai ficar tudo bem e quer ajudar no que puder. Na manhã seguinte, a garota é levada até a fogueira, suplica à mãe que a ajude, ao pai; no início a mãe conta que com esse sacrifício não morrerão ali, mas no final ela própria sai correndo, ao ouvir os gritos da filha; Melisandre continua sua reza enquanto ouvimos o chiado das chamas e os gritos da menina. Em Meereen, começam os grandes jogos num estádio enorme, para começar a luta na arena Daenerys precisa bater palma, Daario relata sua própria experiência quando não apostavam nele e Tyrion imagina que o pai teria gostado de Hizdhar, que fala de tradições e honra. Chega na arena Jorah, que enfrenta vários guerreiros e prova seu amor maior pela Khaleesi lançando uma lança que mata um filho da Harpia que iria atacá-la por trás, olham ao redor e estão cercados por diversos mascarados que atacam aleatoriamente, Jorah protege Daenerys junto com o restante do grupo, correm de um lado pro outro até serem encurralados, parecem não ter saída do cerco, quando ouvem Drogo, que cospe fogo, pousa, também é atingido por lanças, mas deixa Daenerys subir em seu dorso alçando voo novamente e salva a Mãe dos Dragões.

 

E10 – Mother’s mercy

Melisandre está contente que o sacrifício rendeu, pois o tempo melhorou, mas há muitos desertores das tropas de Stannis e a esposa se enforca, mesmo assim ele diz que marcharão para Winterfell. As tropas de Stannis se aproximam e dá para ver que estão em menor número que de Bolton; Podrick avista e Brienne decide ir também buscar por Stannis; Brienne o encontra já no final da batalha, com o homem ferido e praticamente tendo desistido; do outro lado dos mortos Ramsay está triunfante. Bem quando Brienne saiu de seu posto, Sansa consegue aproveitar o momento e sair do quarto para acender uma vela na torre, mas é abordada no caminho por Myranda que quer se desfazer de algumas partes que Ramsay não precisa para gerar um filho; Theon finalmente parece ter tomado alguma consciência e empurra a peste do alto do palanque, eles avistam cavaleiros voltando e decide pular com Sansa para fora dos muros que cercam a cidade. Jon permite que Sam vá com Gilly para a cidadela e tente se tornar um Meistre. Em Bravos, Arya consegue se infiltrar na casa visitada por Meryn Trant com outro rosto, é a única menina que é chicoteada e não chora, revela seu rosto e pula no homem furando seus olhos, passando a faca na garganta (a gente já tinha visto um toque de maldade antes, mas a menina virou uma diaba na sua sede por vingança!); retorna ao templo para devolver a face, Jaqen a repreende porque a morte do homem não a pertencia, ele toma o veneno, mas depois Arya se vira e a jovem menina é que tem o rosto de Jaqen; Arya começa a tirar o rosto do morto caído, um atrás do outro, até chegar no seu próprio rosto e perde a visão. Na despedida de Jaime e seu grupo, Ellaria (mãe das filhas de Oberyn) se despede de Myrcella com um beijo na boca; dentro do navio, Jamie conversa com Myrcella, que lhe revela que sabe que ele é seu pai, para em seguida cair morta em seus braços; as filhas da areia sabem em conchavo com a mãe que Ellaria tinha veneno nos lábios e a caçula lhe entrega o antídoto. De volta à pirâmide de Meereen, os amigos de Daenerys decidem o que fazer: Jorah e Daario irão ao seu encalço; Tyrion lhe servirá melhor ajudando a governar e deixarão Verme Cinza e Missandei como líderes do povo até retornarem; Tyrion tem em Varys também seu aliado por informações a saber em quem confiar, o eunuco ironiza, “quem teria experiência em reger uma cidade engasgada por violência, corrupção e mentiras?”. Daenerys realmente nem sabe onde veio parar, com Drogo lambendo as próprias feridas e não querendo voar de volta, ela caminha pela vastidão e é surpreendida por uma horda enorme de homens em cavalos  muito parecidos com os dothraki. De volta a Kingslanding, Cersei decide confessar seus pecados – bem, confessa uma parte, ainda alegando que os filhos de incesto são manobra de quem deseja tomar o trono -, recebe o perdão da misericórdia da mãe (quem?) e poderá retornar a Redd Keep (Fortaleza Vermelha) após expiação: seu cabelo é cortado e ela precisa caminhar por toda cidade como Deus lhe enviou; nua e descalça, acompanhada por uma freira com sino que anuncia “Vergonha!”, recebe xingamentos do povo e jogam-lhe todo o tipo de dejetos no corpo, é uma longa caminhada, até atravessar os portões para ser levada no colo de um Montanha ressuscitado em armadura. Na Muralha, Davos já chegou, mas recebem agora uma Melisandre sem palavras, que fugira dos campos de batalha; Jon Snow está desolado com notícias que recebe dos corvos, até que Olly o chama alegando que encontraram seu tio perdido, mas é uma emboscada, Alliser e outros patrulheiros enfiam a faca no comandante, inclusive o jovenzinho Olly; Jon caído, sangra na neve.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s