93rd Academy Awards

(Este post foi atualizado após a festa do Oscar 2021, deste domingão 25 de abril. Os vencedores e alguns comentários estão na cor azul)

Afinal, como é que ficou a minha lista, hein? Este ano, pela primeira vez pretendo acompanhar além do twitter uma live pelo YouTube, vamos ver como vai ser isso – com alguns anos de atraso, como contei um pouquinho neste post, finalmente descobri que gosto de pegar um dia da semana para ver alguns vídeos nessa plataforma; principalmente com a gravidez e a maternidade (e mais tempo em casa) comecei a usar para procurar informações e nem sempre a gente está disposto (após um dia exaustivo com um baby, por exemplo…) a ler algo, ou apenas estamos fazendo alguma outra coisa enquanto ouvimos (o que aliás me faz pensar no papel da TV que foi substituída pelas atarefadas domésticas nesse sentido?).

Bem, desculpem as eternas divagações à parte. Apenas relembrando: sublinhados são os meus votos, dados por um motivo ou por outro (por exemplo, figurino e maquiagem são pelo melhor filme, nem tanto pelo melhor trabalho da lista). NÃO são as apostas de quem vai ganhar… nem sempre minha opinião combina com a dos votantes reais ;) Bom Oscar para todos, daqui a pouquinho.

Melhor documentário de curta-metragem

Collete(considerei como possível ganhador, tratando da guerra, drama sentimental, disponível no YouTube)

A concerto is a conversation

“Do not split”

“Hunger ward”

“Uma canção para Natasha”

Melhor documentário

(deve levar “Professor Polvo”)

Colective

“Crip camp”

“The mole agent”

Professor Polvo”

“Time”

Melhor curta-metragem em live action

Feeling through

“The letter room'”

“The present”

Dois estranhos(já imaginava, fácil de encontrar e tema relevante nesse ano cujo caso de George Floyd foi bem importante, como a própria Regina King comentou na abertura)

“White Eye”

Melhor filme internacional

(deve levar “Druk”)

Druk – Mais uma rodada” (Dinamarca)

“Shaonian de ni” (Hong Kong)

“Colective” (Romênia)

“O homem que vendeu sua pele” (Tunísia)

Quo vadis, Aida?” (Bósnia e Herzegovina)

Melhor curta de animação

“Burrow”

“Genius Loci”

If anything happens I love you

“Opera”

“Yes people”

Melhor animação

(não tem pra mais ninguém, será “Soul”)

“Dois irmãos: Uma jornada fantástica”

“A caminho da lua”

“Shaun, o Carneiro: O Filme – A fazenda contra-ataca”

Soul

“Wolfwalkers”

Melhor roteiro original

“Judas e o Messias negro”

“Minari”

Bela vingança

“O som do silêncio”

“Os 7 de Chicago”

Melhor roteiro adaptado

“Borat: fita de cinema seguinte”

Meu pai

“Nomadland”

“Uma noite em Miami”

“O tigre branco”

Melhor design de produção

(creio que leve “Mank”)

“Meu pai”

“A voz suprema do blues”

Mank

“Relatos do mundo”

Tenet

Melhor figurino

“Emma”

A voz suprema do blues

“Mank”

“Mulan”

“Pinóquio”

Maquiagem e cabelo

“Emma”

“Era uma vez um sonho”

A voz suprema do blues

“Mank”

“Pinóquio”

Melhor fotografia

“Judas e o messias negro”

Mank

“Relatos do mundo”

Nomadland

“Os 7 de Chicago”

Melhor som

“Greyhound: Na mira do inimigo”

“Mank”

“Relatos do mundo”

“Soul”

O som do silêncio

Canção original

Fight for you” – “Judas e o messias negro”

“Hear my voice” – “Os 7 de Chicago”

Husa’vik” – “Festival Eurovision da Canção: A saga de Sigrit e Lars”

“Io sì” – “Rosa e Momo”

“Speak now” – “Uma noite em Miami”

Melhor trilha sonora

“Destacamento blood”

“Mank”

“Minari”

“Relatos do mundo”

Soul

Melhor edição

(pode levar “O som do silêncio”)

Meu pai

“Nomadland”

“Bela vingança”

O som do silêncio

“Os 7 de Chicago”

Efeitos visuais

(deve levar “Tenet”)

Amor e Monstros

“O céu da meia-noite”

“Mulan”

“O grande Ivan”

Tenet

Melhor atriz coadjuvante

Maria Bakalova – “Borat: fita de cinema seguinte”

Glenn Close – “Era uma vez um sonho”

Olivia Colman – “Meu pai”

Amanda Seyfried – “Mank”

Yuh-Jung Youn – “Minari”

Melhor ator coadjuvante

Sacha Baron Cohen – “Os 7 de Chicago”

Daniel Kaluuya – “Judas e o messias negro”

Leslie Odom Jr. – “Uma noite em Miami”

Paul Raci – “O som do silêncio”

Lakeith Stanfield – “Judas e o messias negro”

Melhor atriz

(deve levar a Viola)

Viola Davis – “A voz suprema do blues”

Andra Day – “Estados Unidos Vs Billie Holiday”

Vanessa Kirby – “Pieces of a woman”

Frances McDormand – “Nomadland”

Carey Mulligan – “Bela vingança”

Melhor ator

(devem dar o prêmio póstumo)

Riz Ahmed – “O som do silêncio”

Chadwick Boseman – “A voz suprema do blues”

Anthony Hopkins – “Meu pai”

Gary Oldman – “Mank”

Steve Yeun – “Minari”

Melhor direção

Thomas Vinterberg – “Druk – Mais uma rodada”

David Fincher – “Mank”

Lee Isaac Chung – “Minari”

Chloé Zhao – “Nomadland”

Emerald Fennell – “Bela vingança”

Melhor filme

(se “Minari” ou “O som do silêncio” correrem por fora e ganharem, não vou ficar triste não)

8 – “Meu pai”

7 – “Nomadland

6 – “Minari”

5 – “O som do silêncio”

4 – “Judas e o messias negro”

3 – “Mank”

2 – “Bela vingança”

1 – “Os 7 de Chicago”

Xenti, se eu tivesse participado de bolão este ano, eu acho que teria ganhado, hein? Porque eu teria errado só 3 (Fotografia, Melhor canção e Melhor atriz) nas apostas. Realmente credito isso a ter visto muito mais coisa este ano do que praticamente todos os outros anos.

Mas e a festa em sim, hein? O que vocês acharam das ambições do Soderbergh, que queria dar uma cara mais de filme e deixou o povo dar os discursos à vontade, sem serem cortados? (Comentaristas da TNT tavam até dizendo que isso foi culpa do DJ, haha coitado, eu só dei risada!) Pra mim, quando começou, eu fiquei até animadinha sabe? Vendo a Regina King desfilando com desenvoltura e os “créditos” na tela… mas daí, bem, acho que tentaram usar a luz e caprichar na fotografia, só que não empolgou tanto não. Até a “montagem” querendo surpreender ali no final – quase todo mundo já sabia quem ganharia direção e filme, as surpresas poderiam (e foram!) ser nessas categorias de atores, então tentaram fazer essa inversão pro clímax. Pra mim, não funcionou, né gente. O maior prêmio é o de filme e pronto.

Até que não ficou tão ruim o pessoal nos outros países, nem sabia daquele negócio que o Bryan Cranston apresentou, queria ter visto todas as apresentações de melhor canção no pré-show (ei, TNT, dá um jeito aí no futuro, mostraram só alguns trechinhos), adorei o vestido cisne negro da Laura Dern quase imitando Bjork, honestamente acho que se colocaram o povo em mesinhas deveria ter comes e bebes imitando o Globo de Ouro, pra mim Daniel Kaluya tava meio chapado (incluindo o meme instantâneo da reação da mãe), nem achei ruim Thomas Vinterberg homenagear a filha emocionado, tô ficando velha e quase não consegui acompanhar os nomes no In Memorian, uma graça a vovozinha de Minari corrigindo Brad Pitt, e a Frances Mcdormand uivando?, e é a primeira diretora asiática a ganhar Oscar, e o Anthony Hopkins certo de que não ganharia, por isso não estava lá, mas fez questão de lembrar com respeito o eterno Pantera Negra? – mas não teve jeito não. O Oscar 2021 será lembrado como aquele da rebolada da Glenn Close ao som de “Da butt” (ou será o pior final de Oscar de todos os tempos?)

P.S. não deu muito certo eu ver a live não… não consigo prestar atenção aos dois, ao mesmo tempo! Tá de bom tamanho ver alguns tuítes nos intervalos, prefiro ver o que falam os apresentadores e os discursos, sou velha assim. Mâs! Eu vi uma live pós-Oscar no canal do Super Oito (Otavio Ugá), junto do PH Santos e Daleno que até que gostei viu, dava até pra ganhar desconto no Mac n’cheese da Sadia – o meu favorito é o de bacon.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s