Como treinar o seu dragão


howtotrainyourdragon_toothless

Originally uploaded by D Suzuki

(How to train your dragon / 2010) ***

História: um garoto viking descobre que não precisa matar dragões, tornando-se amigo de um.

Sei que parece um roteiro bobinho, mas me surpreendi ao alugar este filme ontem, até chorei. Não vou falar da trilha sonora de John Powell, do primor técnico, das boas cenas de ação e interação entre diferentes personagens. Tudo isso vocês lêem em outras críticas de cinema.

Vou dizer que quero um Fúria da Noite pra mim!!! Quero voar além das nuvens… Há momentos cômicos com ótimo timing, mas uma coisa que adorei foi que as falhas dos personagens não são reprimidas, mas abraçadas. Não importa o quanto você seja diferente dos outros – aquela velha premissa de que, acreditando e tentando nosso melhor, podemos fazer coisas incríveis.

Determinação

Ontem à noite meu irmão recebeu uma mala direta da Metodista, faculdade em que eu estava planejando fazer Cinema Digital (caso meu pai estivesse empregado…). Aí eu descobri que eles não vão mais oferecer este curso a partir do ano que vem (!). Pronto. Comecei uma busca desenfreada pela internet sobre cursos de cinema… sim. O eterno dilema, meu “carma”. Já cheguei a pensar que, se eu pudesse escolher só uma coisa na vida antes de morrer, seria fazer cinema ?(…

E ultimamente tenho pensado mesmo que talvez o que tenha me faltado lá atrás, na época do cursinho, foi mais determinação. Me veem à mente uma imagem de Buda, sendo tentado por várias artimanhas do demônio Mara… e mantendo-se resoluto em seu propósito. Talvez o meu carma seja esse: se é algo que realmente quero, eu deveria ter determinação e ir atrás.

Parte de mim sempre foi insegura e, na verdade, acho que sempre tive medo. De não ser boa suficiente pra fazer esse curso, pra fazer projetos e realmente estar num set, na prática. E esse “boa” inclui não só a falta de inteligência, não ser culta (conhecer mais sobre artes, música, tecnologia e o mundo em geral), mas também a inaptidão social. Será que um dia eu vou conseguir me libertar, dar a cara a bater e realmente “me jogar” no que eu passei a chamar de sonho?

Raios e trovões. Chove agora – e eu adoro a chuva. Propício para uma nova resolução?

Sei que, se eu realmente quiser fazer alguma coisa, eu vou ter que me matar de estudar. Faz dois anos que estou parada, sem estudar nada. E faz quase 10 anos (!!) que fiz cursinho pré-vestibular… Mas, como não tenho dinheiro, eu só tenho 2 opções:

1) Me matar de estudar e passar entre os 5 primeiros na classificação geral da FAAP, pra poder cursar cinema à noite (com bolsa de 60 a 100% na mensalidade).

– e como o curso é noturno, eu poderia continuar a servir no templo budista.

– mas pra isso dar certo, também estou contando que meus pais já vão estar mais estabilizados financeiramente até o final do ano que vem.

 2) Me matar de estudar e passar na fuvest, pra fazer audiovisual na USP.

– o que implicaria eu sair do templo, ou tentar um acordo de meio período.

(porque a Unip todo mundo diz que é ruim demais, a Anhembi é cara e dizem não ser tão boa, a Ufscar não compensa mudar de cidade, nem a UFF ou a UFRJ, PUC-RS, UFSC, Unisul. O Senac é só de dia. E os cursos de 6 meses não são completos como eu gostaria…)

É isso aí. Ontem: projeta brasil no cinemark. R$2,00 p/ ver “Lula, filho do Brasil”. Adoro a Glorinha Pires. E quase até chorei. Hoje: como vou me matar de estudar??? Se eu não trabalhar mais no templo, o que vou fazer da vida?

Novo, de novo

Descobri que logo não teria mais o meu espaço no Windows Live. Tive que salvar tudo em uma pasta e me despedir. E decidi então criar um novo blog – de novo.

Em verdade, acho que é até bem apropriado. Vamos entrar em uma nova década, e este ano de 2010 foi um novo começo na minha vida, talvez o início de novos tempos.

É claro que ainda continuo com ideais malucos que talvez eu já deveria jogar pro alto e tudo o mais… Entre outros itens da lista: estudar pra tentar fazer uma faculdade de cinema, estudar japonês, francês, espanhol, tentar um curso de kung fu, natação, aulas de violão, tratamento para cordas vocais, fazer mochilão pela Europa, ver a aurora boreal em algum lugar, viajar de balão, ter uma dieta saudável (meio vegetariana, mas ainda incluindo queijo e sorvete), me vestir bem, mas com roupas simples; fazer animação, contribuir para melhorar o mundo, escrever livros, continuar com hábitos conscientes para com o meio ambiente… puxa! Até parece que viajei no tempo e voltei a 10 anos atrás! Pois é, tudo isso sou eu. São coisas que eu sempre quis e ainda gostaria de realizar (incluindo casar com o Leonardo DiCaprio). E pra admitir a verdade, não sei se um dia eu realmente vou conseguir tudo isso.

Mas taí outra característica desta que vos lhes escreve: esperança. Uma romântica incurável. Talvez eu esteja dando o primeiro passo para trilhar uma nova estrada. Ou talvez não. Mas garanto a vocês que vamos nos divertir no caminho. :D