90th Oscar

(quem ganhou? post atualizado “só” quase um mês depois)

Cá estou eu, a poucos minutos do prêmio de cinema mais conhecido do mundo e… vejam só o reflexo do desenvolvimento do cinema nos últimos anos da minha vida: parece até que regredi para o primeiro post sobre Oscar por aqui, nem mais post com antecedência este ano consegui… O pessoal do Honest Trailers até que fez um divertido compilado dos “candidatos” deste ano no YouTube e eu consegui terminar a “maratona”, mas virei uma dona de casa que só trabalha e come? (!).

Dizem que este é o Oscar mais feminino, reflexo da explosão da voz feminina ano passado com as várias denúncias de assédio sexual (que a gente sempre desconfiou que existiu nessa indústria, mas finalmente chegou o tempo em que não se fica mais calada).

Uma coisa refletindo na outra, ai, ai, era pra eu estar lá do lado da Greta Gerwish, senão cineasta, pelo menos roteirista… Eu nunca seria indicada pra fotografia, que não levo jeito pra isso, e quando eu era criança, sabem que nunca quis ser atriz? Eu queria ser diretora, roteirista, animadora, mais recentemente, montadora… Esses dias eu tava pensando, se eu realmente fizesse parte da Academia, de qual grupo eu seria? Hmmm…

Aproveitando a deixa de 2016, faço o ranking dos indicados a melhor filme abaixo, junto com todos os outros votos (chutes) que eu daria, caso fizesse parte da Academia. Ah, talvez eu fizesse parte do grupo dos animadores mesmo – e não votaria no Carlos Saldanha (Sorry! Sou brasileira, mas sou mais amor ao cinema…)

* * *

Melhor filme: levou “A forma da água”

9 – Corra! (whaaat?! é, minha gente, pois é. Repensando tudo o que vi, esse foi o mais bem acabadinho pra mim, acreditam? E é de terror! Perdendo a mão, eu?)

8 – A forma da água (ah, agora sim, parece a Deni sonhadora e romântica que a gente conhece, né?)

7 – Me chame pelo seu nome (só por causa daquela cena da conversa com o pai?)

6 – Três anúncios para um crime (filme raivoso, porque a gente anda mesmo com muita raiva neste mundo)

5 – The post: a guerra secreta (ah, vai, eu até chorei)

4 – Lady Bird: é hora de voar

3 – Trama fantasma

2 –Dunkirk

1 – O destino de uma nação

 

Melhor direção: Jordan Peele (porque… vai dizer se ele não conseguiu tudo o que queria de seus atores e suas cenas?) Levou Guillermo del Toro (por mim, mais pelo reconhecimento do talento e conjunto da obra)

Melhor ator: Gary Oldman (este ano tem pra ninguém não) Levou Gary Oldman (eu disse)

Melhor atriz: Sally Hawkins (desculpa, gente, mas ela leva o filme) Frances McDormand (claro)

Melhor ator coadjuvante: Sam Rockwell (desculpa, gente, mas ele é o verdadeiro destaque do filme) Sam Rockwell (claro)

Melhor atriz coadjuvante: Allison Janney (desculpa, gente, eu ainda lembro dela em Juno) Allison Janney (quem mais?)

Melhor roteiro original: Corra! (eu achei muito divertido)  Corra! (era a única chance de darem algo pra eles)

Melhor roteiro adaptado: Logan (que triste o destino dos X-men e do professor Xavier… nunca um filme de heróis me deixou tão triste) Me chame pelo seu nome (eu não fiquei triste não)

Melhor fotografia: Blade Runner 2049 (fazer o quê, né. Ode é ode.) Blade Runner 2049

Melhor desenho de produção: A forma da água. Levou “A forma da água” (não tô tão mal assim, ainda tenho algum olhar pro cinema?)

Melhor maquiagem e cabelo: O destino de uma nação (confesso que não vi os outros) Levou “O destino de uma nação” (votantes da Academia me imitando)

Melhor figurino: A bela e a fera. Levou “Trama Fantasma” (e faz todo sentido, já que é a história de um estilista apaixonado, afinal)

Melhor montagem: Dunkirk. Levou “Dunkirk” (com os cruzamentos temporais e tudo mais, né… ok, vai)

Melhor edição de som: Em ritmo de fuga. Levou “Dunkirk” (ok)

Melhor mixagem de som: Em ritmo de fuga (som é tudo neste filme!). “Dunkirk” (not ok! Não aceito que não deram nenhunzinho desses pra “Em ritmo de fuga”).

Melhores efeitos visuais: Guardiões da Galáxia – vol.2.

Melhor canção original: Viva: a vida é uma festa – “Remember me” (é o principal desse filme, não?) “Viva” (awnnnn e por que não?)

Melhor trilha sonora original: A forma da água. Levou “A forma da água” (pois é, né)

Melhor curta: The eleven o’clock (como sempre, nessas categorias, o que eu gostaria de ver mais ao ler a sinopse) Levou “The silent child”

Melhor curta de documentário: Knife Skills. Levou “Heaven is a Traffic Jam on the 405” (parece que quem viu concordou)

Melhor documentário: Visages Villages. Levou “Ícaro” (Choquei. Ei, tem no Netflix!)

Melhor curta de animação: Negative Space (chute!) Levou Dear Basketball” (xenti! Até Kobe Bryant tem Oscar agora!)

Melhor longa de animação:  Com amor, Van Gogh (não é chute, esta é uma verdadeira obra de arte) Levou “Viva” (óooinnnn, mas é fofo mesmo – e não tem jeito, né, não dá pra competir com a Pixar)

Melhor filme não falado em inglês: O insulto. Levou “Mulher fantástica” (não sei por quê, mas me pareceu que foi só pra “provar” algo…)

***

E é isso aí, tem prêmio pra todo mundo nesta minha seleção eclética! Como sempre, lembrando que essas não são minhas apostas, são os votos que eu daria, então verão que o resultado será bem diferente… Boa noite de Oscar, pessoal!

E o Oscar 2018 ficará lembrado como aquele… em que Gal Gadot repetiu milhares de vezes como era mais divertido trazer comida pro cinema do que estar no Oscar? Ou dos apresentadores velhinhos simpáticos e a Jodie Foster e a Jennifer Lawrence tirando a Meryl Streep? Ou o que a Rita Moreno repetiu o vestido? Ou o que a Helen Mirren fez propaganda de jetski (xenti!)?